16.5.06

Timor-Leste: agências e postos de câmbio CGD continuarão a trabalhar normalmente

Lisboa, 11 Mai (Lusa) - As oito agências e dois postos de câmbio do Grupo Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Timor-Leste, nos quais trabalham 80 pessoas, vão continuar a funcionar normalmente, apesar da instabilidade, garantiu hoje à Lusa fonte oficial da instituição.
"Estamos a trabalhar normalmente, sem que nenhuma das agências ou postos de câmbio tenha sido encerrado neste dias, e vamos continuar assim", disse à agência Lusa fonte do gabinete de comunicação da CGD.
"Naturalmente, temos estado a acompanhar atentamente a situação e vamos continuar a faze-lo", frisou, mas as informações que chegam de Timor-Leste é que "a situação está a normalizar", não havendo necessidade de pensar em encerrar locais ou retirar os portugueses - três dos 80 funcionários - que ali trabalham. Timor-Leste vive actualmente um período de tensão depois de incidentes protagonizados por ex-militares que alegam ser alvo de discriminação por parte da hierarquia das forças armadas.
Na sequência de confrontos entre ex-militares e as forças da ordem a 28 e 29 de Abril, em Díli, que fizeram cinco mortos e dezenas de feridos, cerca de 70 por cento da população da capital fugiu para as montanhas, só começando a regressar nos últimos dias.
O grupo CGD tem duas agências na capital timorense, Dili, e outras seis nas localidades de Baucau, Gleno, Maliana, Suai, Viqueque e no enclave de Oecussi, além de dois postos de câmbio, um na capital e outro numa localidade na fronteira com a Indonésia. A sucursal do grupo financeiro português em Timor-Leste foi inaugurada em Julho de 2001, mas a actividade, intensificada depois do referendo de Agosto desse ano, foi iniciada pelo Banco Nacional Ultramarino (BNU), incorporado por fusão na CGD.
ANP. Lusa/Fim