11.5.06

Timor-Leste: Portugal aguarda pedido de ajuda do Governo de Dili

Lisboa, 10 Mai (Lusa)
- O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou hoj e que o Governo português aguarda um pedido de ajuda das autoridades de Díli par a decidir como poderá cooperar para resolver os problemas de segurança naquele p aís de expressão portuguesa. Nas declarações que fez aos jornalistas no Parlamento, no final da sess ão de abertura da interpelação do PSD sobre um ano de Governo socialista, José S ócrates não se pronunciou sobre o eventual envio de militares da GNR para Timor- Leste.
O primeiro-ministro declarou apenas que "Portugal acompanha com atenção a situação em Timor-Leste" e está disponível para "estudar as propostas que for em feitas pelas autoridades timorenses". "Quando chegar esse pedido das autoridades timorenses e após contacto c om outros países e com a Organização das Nações Unidas, Portugal decidirá" como poderá ajudar Timor-Leste, respondeu o chefe do Governo.
O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros confirmou hoje que o chefe da diplomacia timorense, José Ramos Horta, fez há "já algum tempo" um pe dido para envio de forças da GNR para Timor-Leste.
No entanto, António Carneiro Jacinto explicou que esse pedido "não tem nada a ver" com a crise política que afecta Timor-Leste.
"Aceitámos enviar elementos da GNR, mas quaisquer decisões só serão tom adas depois de o Conselho de Segurança da ONU confirmar o prolongamento da missã o da ONU no território por mais um mês", disse António Carneiro Jacinto à Agênci a Lusa. O Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se sexta-feira, para de cidir se prolonga a actual missão da ONU em Timor-Leste. Por proposta dos Estados Unidos, a actual estrutura da ONU em Timor-Les te (UNOTIL), cuja missão termina a 19 de Maio próximo, deverá permanecer por mai s um mês no país.
Durante esse período, será avaliado um pedido do Governo de Díli para q ue as Nações Unidas permaneçam em Timor-Leste até à realização das próximas elei ções presidenciais e legislativas, previstas para Maio de 2007. Timor-Leste vive actualmente um período de tensão depois de incidentes protagonizados por ex-militares que alegam ser alvo de discriminação por parte d a hierarquia das forças armadas.
Na sequência de confrontos entre ex-militares e as forças da ordem a 28 e 29 de Abril passado em Díli, que fizeram cinco mortos e dezenas de feridos, c erca de 70 por cento da população da capital fugiu para as montanhas, só começan do a regressar nos últimos dias.
PMF/PNG. Lusa/Fim